terça-feira, 15 de novembro de 2011

Plebicito no Pará opõe comércio à agricultura


AGUIRRE TALENTO
DE BELÉM

A proposta de divisão do território do Pará em três Estados criou uma disputa entre o setor de serviços, concentrado na região metropolitana de Belém, e o agropecuário, com força no interior.
Os comerciantes são contrários à divisão por acreditarem que a economia de Belém se enfraquecerá, enquanto os fazendeiros defendem os novos Estados com a esperança de obter melhorias de infraestrutura na área rural.

Divisão do Pará é rejeitada por 58% dos eleitores, diz Datafolha
Entenda o plebiscito que pode dividir o Pará
Paraenses célebres divergem sobre possível divisão do PA
1º dia de campanha de plebiscito no Pará tem jingle e apelo econômico

Um plebiscito a ser realizado no próximo dia 11 de dezembro decidirá se o Pará dará origem a mais outros dois Estados: Carajás (região sudeste) e Tapajós (oeste).
A campanha começou em setembro e tem o engajamento maciço dos dois setores.
O presidente da Associação Comercial do Pará, Sérgio Bitar, por exemplo, é o vice-presidente da Frente Contra a Criação do Carajás.
Do outro lado, os fazendeiros são os principais líderes dos grupos a favor da divisão.
O presidente da Faepa (Federação da Agricultura e Pecuária do Pará), Carlos Xavier, é pessoalmente contra a divisão, mas decidiu que a entidade ficaria neutra e liberou os sindicatos rurais para participar da campanha.
É o que tem acontecido no interior, nas regiões que querem se separar do Pará.
"Vamos ter mais recursos e uma Secretaria da Agricultura para dar assistência mais próxima", afirma Adinor Batista, coordenador da Faepa em Santarém (oeste do Pará).
A cidade é cotada para ser a capital do Estado do Tapajós.
Outro benefício que acreditam obter é a melhoria das estradas, o que diminuiria o custo final das mercadorias produzidas na região.
O setor agropecuário participa da economia paraense com uma produção de R$ 3,7 bilhões --cerca de 60% desse valor tem origem nos territórios de Carajás e Tapajós.
Mas o forte da economia do Pará está no setor de serviços, que produz R$ 29,8 bilhões --dos quais 67,7% estão no Pará remanescente.
A preocupação é que, com a criação dos novos Estados e a estruturação de duas novas capitais, ocorra um esvaziamento do comércio na região metropolitana de Belém.
"O setor terciário é muito fluido. O comércio pode se desenvolver em outro lugar. A economia de Belém vai se esvair", afirma Bitar, da Associação Comercial.
Ele tem o apoio formal da Fiepa (Federação das Indústrias do Pará), que também firmou posição contra a divisão do Estado. Uma das preocupações do setor é o início de uma guerra fiscal com os dois novos Estados, que tirariam investimentos do Pará.
A Fiepa também teme que isenções fiscais para indústrias que estejam nos territórios de Carajás e Tapajós tenham de ser renegociadas.
Fonte: Bol

Nenhum comentário:

Postar um comentário