segunda-feira, 23 de novembro de 2015

Dia nacional da Consciência Negra é celebrado por escolas estaduais

Divulgação
Durante o evento foram apresentados trabalhos sobre culinária afro, dramatizações, capoeira, desfile com vestimenta afro, samba, danças afro, oficina de penteado afro entre outros

Escola CE Henrique de La Roque Em São Pedro da Água Branca
Na Escola CE Henrique de La Roque, localizada em São Pedro da Água Branca, as atividades do dia da Consciência Negra foram bastante intensas nos turno vespertino e noturno, a data foi marcada por apresentações de peças teatrais e seminários que exploraram o tema de maneira que levasse aos alunos a uma reflexão a sobre a importância de se viver disseminando a igualdade entre todos.
As atividades foram realizadas pelas equipes multidisciplinares com seminários, pesquisas e apresentações culturais de matriz afrobrasileira e africana. “Essas ações contribuem para a reflexão e promoção da igualdade etnicorracial dentro das escolas. O tema é trabalhado nas diferentes formas do conhecimento para que os alunos conheçam e debatam a cultura, história e a situação do povo afrobrasileiro”, disse a professora Maria Luíza, Coordenadora Pedagógica da Escola CE Henrique de La Roque.
"O dia da Consciência Negra também põe em pauta a importância de discutir a temática negra na escola. A inclusão de assuntos ligados à África e ao povo negro na educação formal é uma das estratégias para reconhecer a presença desse grupo na história do Brasil - os negros correspondem a 6,8% da população brasileira segundo o IBGE, mas os chamados "pardos" chegam a um número próximo da metade da população brasileira. Não à toa, escolas e instituições diversas já reconhecem a importância de trabalhar a cultura negra em seu dia a dia". Disse a professora de Língua Portuguesa, Maria Luciene.
Os trabalhos na escola ocorreram sob a orientação da Coordenadora Pedagógica, professora Maria Luíza.
Estudantes da escola Bacelar Portela realizaram apresentações alusivas à data
“Queremos valorizar a consciência humana, não só a consciência negra”. A frase do estudante Marcos Pereira, do 2º ano do Ensino Médio, do Centro de Ensino Bacelar Portela, bairro Ivar Saldanha, resumiu as comemorações do Dia da Consciência Negra, nesta sexta-feira, dia 20. Todos os estudantes da escola se envolveram no projeto liderado pela turma do 2º ano.
De acordo com o gestor adjunto, Sisidino Assunção, este projeto foi realizado pelos professores da área de humanas junto aos alunos do 2º ano do Ensino Médio do turno matutino. “O objetivo maior do projeto é levar os alunos a refletirem sobre a diversidade étnico-cultural para compreenderem que cada povo possui sua identidade própria, presente nas crenças, costumes, história e organização social”, pontuou Assunção.
Para a idealizadora do projeto, a professora de Sociologia Luzandra Gama, os estudantes abraçaram a ideia. “Trabalhamos a temática durante o mês todo com a turma do 2º ano e toda escola se envolveu nas comemorações”, assegurou.
A estudante Maximiriam Santos, do Bacelar Portela destacou a importância de celebrar a consciência negra
A estudante Maximiriam Santos destacou a importância de comemorar a data. “Muitas coisas passam e esquecemos, precisamos de datas como esta para lembrar, é necessário oxigenar a memória”, pontuou.
Já a estudante Ketily Moraes ressaltou que é necessário valorizar o papel do negro na sociedade. “O dia da Consciência Negra existe para valorizar o negro como ser cultural e definir bem a importância do negro na sociedade e na cultura”, lembrou. Foi o que a estudante Nayres Corrêa, 2º ano, definiu como resgate. “Esse tipo de projeto é muito importante pelo resgate de valores”, frisou.
O presidente do grêmio estudantil da escola, Marcos Vinícius dos Santos, 3º ano, destacou um ponto importante do evento: o protagonismo dos estudantes: “Foram os alunos do 2º ano que encabeçaram o projeto, pois sabem a necessidade de tratar de assuntos importantes na escola”, disse.
Estudantes da escola Bacelar Portela realizaram apresentações alusivas à data
Durante o evento foram apresentados trabalhos sobre culinária afro, dramatizações sobre racismo e preconceito, capoeira, desfile com vestimenta afro, samba, apresentações das regiões de concentração de quilombolas, danças afro, oficina de penteado afro e religiões afro.
Menino Jesus de Praga
A comunidade escolar do CE Menino Jesus de Praga, Cidade Operária, também desenvolveu ação na escola com o foco no exercício de reflexão sobre Consciência Negra. “Trabalhamos um projeto sobre o dia da consciência negra focado na reflexão sobre o tema”, revelou Swyaguines Rosali, estudante do 1º ano.
Lucas Henrique, também estudante do 1º ano da escola Menino Jesus de Praga, reforçou a importância da reflexão: “O projeto serviu para enriquecer nosso conhecimento, há muitas informações que a gente só sabe através da palestra”, disse.
Nas Unidades Regionais de Educação (UREs) as escolas também realizaram programações alusivas ao tema. De acordo com a gestora de Viana, Gonzanilma Nunes Ferreira, as escolas promoveram uma semana inteira de atividades interdisciplinares com exposição de textos, instrumentos, roupas, danças, comidas típicas e cultura negra nas escolas.
Em Imperatriz, estudantes e professores do Sistema Estadual de Ensino e da rede municipal se reuniram na Praça da Cultura para lembrar o Dia da Consciência Negra.
No sábado, dia 21, o Centro de Ensino Fernando Perdigão, no bairro Monte Castelo, também realizará das 8h às 13h, a culminância do Projeto de Consciência Negra “Educação Quilombola”.
Fotos da Escola CE Henrique de La Roque

























Por profº. Gilvan

Nenhum comentário:

Postar um comentário